Decomposição foliar da serapilheira de dois sistemas agroflorestais no Cerrado Sul-Mato-Grossense

Vilma Portilho de Assis, Poliana Ferreira da Costa, Mylena dos Santos, Caroline Quinhones Fróes, Maíra Cristina de Oliveira Silva

Resumo


Um dos indicadores importantes para um ecossistema é a serapilheira, pois ela fornece nutrientes e matéria orgânica que são essenciais para o funcionamento do ambiente. Assim sendo, o objetivo deste estudo foi avaliar a taxa de decomposição foliar da serapilheira e correlacioná-la com índices meteorológicos, em duas áreas com sistemas agroflorestais (SAF1) formado por diversas espécies de plantas e (SAF2) formado por Heveicultura e abacaxi, em uma região de Cerrado, no município de Pedro Gomes, MS. Para avaliação da decomposição da serapilheira folhas recém-caídas foram coletadas das áreas de estudo e transferidas à estufa por 96 horas. Em seguida, foram pesadas frações de 10 gramas e inseridas em litterbags. Foram alocados 20 litterbags em cada área de estudo e a remoção das amostras ocorreu aos 30, 60, 90 e 120 dias, retirando-se 5 amostras por área e época avaliada. Foi estimada a massa foliar remanescente dos litterbags, o tempo de meia vida (t ½) e a constante de decomposição (k). Posteriormente, a correlação de Pearson (r) entre as variáveis climáticas e k. A perda da massa foliar foi maior na área do SAF2, e em ambas as áreas a temperatura e precipitação tiveram influência na decomposição foliar da serapilheira.


Palavras-chave


Degradação foliar. Influência climática. Precipitação. Temperatura; Indicador Ecológico.

Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.14295/holos.v20i4.12405

Creative Commons License
HOLOS ENVIRONMENT, Rio Claro, SP, Brasil - - - eISSN (eletrônico): 1519-8634 - - - está licenciada sob Licença Creative Commons

> > > > >
 




Filiado ao Portal de Periódicos CAPES



Filiada à Associação Brasileira de Editores Científicos a partir de 2010

 

Desenvolvido por:

Logomarca da Lepidus Tecnologia