AVALIAÇÃO DE UM WETLAND CONSTRUÍDO HÍBRIDO NO TRATAMENTO DE ESGOTO SANITÁRIO

Marina Victoretti Silva, Rodrigo Freitas Bueno

Resumo


No Brasil, há um déficit de acesso em relação aos serviços de esgotamento sanitário por grande parte da população, sendo esse fato um dos responsáveis pela contaminação de corpos hídricos. Isso se dá devido à falta de investimento em infraestrutura no país, uma vez que estações de tratamento de esgoto demandam custos elevados e grande demanda de área para implantação, além da instalação do sistema de coleta, que encaminha o esgoto sanitário ao tratamento. Sendo assim, é necessário então, que sejam desenvolvidas tecnologias acessíveis nesse setor, visando à disseminação deste serviço. Dentro deste contexto, os Wetlands Construídos podem ser considerados uma alternativa de tratamento descentralizado de esgotos, de baixo custo, esteticamente e ecologicamente viáveis. Este estudo, portanto, avaliou a aplicabilidade de um sistema composto por Wetland Construído Híbrido - WCH (fluxo vertical seguido de horizontal), em escala piloto, tratando esgoto sanitário. O WCH apresentou eficiências satisfatórias em termos de remoção de matéria orgânica, reduzindo turbidez e sólidos de maneira eficaz, porém apresentou baixa eficiência em termos de remoção de nutrientes. As baixas temperaturas registradas nas seis primeiras semanas limitaram o crescimento das macrófitas, contudo, nas semanas seguintes houve desenvolvimento expressivo. Assim, concluiu-se que o WCH pode ser uma alternativa para o tratamento de esgotos sanitários, podendo ser considerado como um sistema técnica e economicamente viável para disseminação dos serviços de esgotamento sanitário, principalmente, visando pequenas comunidades.

Palavras-chave


Wetlands Construídos; Esgoto Sanitário; Remoção de Matéria Orgânica; Remoção de Nitrogênio.

Texto completo:

PDF


DOI: http://dx.doi.org/10.14295/holos.v15i2.9580

Creative Commons License
HOLOS ENVIRONMENT, Rio Claro, SP, Brasil - - - eISSN (eletrônico): 1519-8634 - - - está licenciada sob Licença Creative Commons

> > > > >
 




Filiado ao Portal de Periódicos CAPES



Filiada à Associação Brasileira de Editores Científicos a partir de 2010

 

Desenvolvido por:

Logomarca da Lepidus Tecnologia