DESCARTE DE EMBALAGENS E QUANTIFICAÇÃO DO VOLUME DE ÓLEO LUBRIFICANTE RESIDUAL NO MUNICÍPIO DE RIO CLARO-SP

Paulo Renato Matos Lopes, Renata de Fátima Domingues, Edério Dino Bidóia

Resumo


As preocupações com a conservação do meio ambiente têm crescido nos últimos anos, principalmente em países industrializados, devido à consciência que tem sido construída nessas sociedades sobre a importância da qualidade ambiental como base para a preservação da vida das futuras gerações. A sua carga poluidora é equivalente a 40.000 habitantes por tonelada de óleo despejada em corpos d’água. Apenas um litro de óleo é capaz de esgotar o oxigênio de um milhão de litros de água, formando, em poucos dias, uma fina camada sobre a superfície de 1.000 m2, o que bloqueia a passagem de ar e luz, impedindo a respiração e a fotossíntese. Neste contexto, foi realizada uma pesquisa nos centros de lubrificação e postos de combustíveis do município de Rio Claro-SP para verificar o destino final das embalagens já utilizadas, teoricamente vazias, e também houve coleta destas para determinar o volume de óleo lubrificante automotivo restante dentro dos frascos.

Palavras-chave


Óleo lubrificante; Automotivo; Contaminação; Volume residual; Embalagem

Texto completo:

PDF


DOI: http://dx.doi.org/10.14295/holos.v8i2.3031

Creative Commons License
HOLOS ENVIRONMENT, Rio Claro, SP, Brasil - - - eISSN (eletrônico): 1519-8634 - - - está licenciada sob Licença Creative Commons

> > > > >
 




Filiado ao Portal de Periódicos CAPES



Filiada à Associação Brasileira de Editores Científicos a partir de 2010

 

Desenvolvido por:

Logomarca da Lepidus Tecnologia