PÓ DE PEDRA: UMA ALTERNATIVA OU UM COMPLEMENTO AO USO DA AREIA NA ELABORAÇÃO DE MISTURAS DE CONCRETO?

Rômulo Tadeu Menossi, José Luiz Pinheiro Melges, Jorge Luís Akasaki, Jefferson Sidney Camacho, João Victor Fazzan, Mauro Mitsuuchi Tashima, Flávio Moreira Salles

Resumo


Em função do elevado consumo de concreto, tanto em nível nacional, como em nível internacional, o uso de vários rejeitos industriais como matéria-prima para a sua elaboração tem dado destaque ao concreto como sendo um material ecologicamente compatível com o desenvolvimento sustentável. A maioria dos concretos é obtida a partir de misturas que utilizam agregados naturais, tendo-se, como exemplo, a areia natural e a brita. A retirada de areia de um rio pode agredir sua calha natural, levar a um aumento da vazão de água e acelerar o ritmo de erosão das margens. Por sua vez, o pó de pedra é um rejeito do processo de extração das britas, não possui destinação definida, e permanece estocado nos pátios das pedreiras formando enormes pilhas, alterando a paisagem e podendo provocar impactos ambientais, como, por exemplo, gerar poeira, obstruir canais de drenagem, e, quando carreados pela chuva, causar o assoreamento de rios. Além disso, também pode ser constatada a exaustão de reservas próximas aos grandes centros. Neste trabalho, apresentam-se resultados relativos à dosagem de concretos que tiveram, como agregados miúdos, areia natural e pó de pedra. Com o intuito de verificar a possibilidade de uso do pó de pedra, exatamente como se encontra nos pátios das pedreiras, não se descartou a fração inferior correspondente a 0,075mm. Constatou-se um aumento de resistência mecânica do concreto com pó de pedra em relação ao concreto com areia natural, principalmente para os traços mais pobres, embora também tenha sido observada uma diminuição da consistência, que por sua vez, pode ser compensada com o uso de aditivos plastificantes.

Palavras-chave


Impactos ambientais; Pó de pedra; Construção civil; Concreto

Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.14295/holos.v10i2.4727

Creative Commons License
HOLOS ENVIRONMENT, Rio Claro, SP, Brasil - - - eISSN (eletrônico): 1519-8634 - - - está licenciada sob Licença Creative Commons

> > > > >
 




Filiado ao Portal de Periódicos CAPES



Filiada à Associação Brasileira de Editores Científicos a partir de 2010

 

Desenvolvido por:

Logomarca da Lepidus Tecnologia