PEROXIDAÇÃO LIPÍDICA EM PLANTAS JOVENS DE CANA-DE-AÇÚCAR SUBMETIDAS AO ESTRESSE SALINO

Denise Aparecida Chiconato, Gilmar da Silveira Sousa Junior, Flavio José Rodrigues Cruz, Durvalina Maria Mathias dos Santos, Rana Munns

Resumo


Alterações no sistema redoxde células vegetais podem desencadear a produção de compostos como o peróxido de hidrogênio (H2O2), levando à peroxidação lipídica. A salinidade contribui para o estresse oxidativo e a produção de espécies reativas de oxigênio (ERO), levando a peroxidação lipídica e, consequentemente, o estravasamento de eletrólitos, contribuindo com a redução da produtividade da planta. Os genótipos de cana-de-açúcar que mantêm baixa peroxidação lipídica e alta estabilidade de membrana sob salinidade podem ser considerados tolerantes. O objetivo deste trabalho foi verificar a resposta de plantas jovens de cana-de-açúcar (SP81-3250 e IAC 87- 3396)quanto àperoxidação lipídica e acúmulo de massa seca sob alta salinidade (0, 40, 80 e 160 mM de NaCl). Ambos os genótipos apresentaram peroxidação lipídica, no entanto, a cv. IAC 87- 3396 mostrou acúmulo de MDA 35% a mais que na cv. SP 81-3250, além da cv. SP 81-3250 ter apresentado produção de H2O2 reduzida e maior biomassa. 


Texto completo:

PDF


Creative Commons License
HOLOS ENVIRONMENT, Rio Claro, SP, Brasil - - - eISSN (eletrônico): 1519-8634 - - - está licenciada sob Licença Creative Commons

> > > > >
 




Filiado ao Portal de Periódicos CAPES



Filiada à Associação Brasileira de Editores Científicos a partir de 2010

 

Desenvolvido por:

Logomarca da Lepidus Tecnologia